quarta-feira, 23 de abril de 2014

como comprar veneno para barata francescinha

como comprar com segurança o veneno que mata imediatamente as baratas francesinhas

comprar



domingo, 20 de abril de 2014

quer a foto do seu bebe neste blog

O bebe de desta semana é linda Talita filha da Katia ,quer ver a foto de seu bebe nas postagem deste blog .e só postar no comentário quero a foto do meu meu bebe neste blog.não è uma gata a Talita parabêns aos pais!!


segunda-feira, 14 de abril de 2014

Refluxo Reação comum depois da mamada



Regurgitações são normais e vômitos só merecem atenção quando fazem a criança perder peso.
A alimentação do recém-nascido ocupa a maior parte do tempo e das pre-ocupações das mães. Muito natural: nos primeiros meses, além da função nutricional, ela é a fonte de comunicação, conhecimento mútuo e construção de uma relação afetiva entre os dois. Por isso costuma ser encarada como uma das mais importantes responsabilidades maternas. E quanto mais intenso for esse sentimento, mais a mãe se aflige com qualquer reação inesperada do bebê. Como as golfadas de leite, depois da mamada, que levam muitas delas, aflitas, a recorrer ao médico: "Doutor, ele está devolvendo todo o leite!"

Não, não está. Os lactentes regurgitam apenas uma pequena parte, e não todo o leite ingerido, após a mamada. Cerca de 50% dos bebês apresentam essas "devoluções", que não acontecem em todas as mamadas. Elas podem começar já nas primeiras semanas e persistir até os 6 meses. A razão está numa imaturidade funcional do esfíncter esofagiano, uma espécie de válvula, cuja função é impedir o retorno do conteúdo do estômago para o esôfago. A imaturidade provoca episódios de relaxamento no esfíncter, resultando na regurgitação.

Bebê glutão
Não é regra, mas as regurgitações são mais freqüentes nos bebês glutões, que mamam com voracidade e muitas vezes em excesso. Deles, após uma "refeição" ávida e barulhenta, as mães podem esperar um grande arroto, para eliminar o ar ingerido junto com o leite, e uma bela golfada com seu peculiar cheirinho azedo. Essas ocorrências, também comuns nos bebês menos vorazes, são normais: não causam desconforto nem exigem da criança qualquer esforço, muito menos interferem no seu ganho de peso.

Vômitos
A mãe deve ficar atenta quando as devoluções de leite vêm, com freqüência, na forma de vômito. No caso do bebê alimentado com mamadeira, esse pode ser um sintoma de alergia à proteína do leite de vaca. Filhos de pais alérgicos, principalmente se desmamados precocemente, estão mais sujeitos ao problema. Leites especiais, cujas proteínas são quebradas em pequenos fragmentos, tendo seu poder alergênico diminuído, costumam ser indicados para eliminar o sintoma. Outra alternativa é identificar o alérgeno responsável e excluí-lo da dieta da criança.

Refluxo
Vômitos após a mamada também podem ser sinal de refluxo gastroesofágico, provocado não só pela imaturidade do esfíncter esofagiano como pela presença de ácido estomacal no esôfago. Na maioria dos casos, o distúrbio se resolve naturalmente até os 12 ou 18 meses, e muitas crianças apresentam melhora já por volta dos 6 meses. Mas em 5% dos lactentes, o problema evolui para a doença do refluxo gastroesofágico, com outros sintomas, além do vômito. A criança perde peso, apresenta chiado no peito, crises de apnéia (falta de ar), otites, irritabilidade e choro intenso. É a permanência do ácido estomacal no esôfago, que começa a provocar lesões nos tecidos, a responsável por essas alterações. O tratamento envolve desde orientações quanto à melhor posição de amamentar até intervenções com medicamentos. Em casos excepcionais, quando o problema persiste por vários anos, pode ser indicada uma cirurgia.

Amamentar
A ocorrência de vômitos e regurgitações não é justificativa para desmamar a criança. Equivocadamente, algumas mães associam essas manifestações ao leite materno. Mas elas podem ocorrer tanto com o leite do "peito" como com o leite de vaca, por se tratar de uma disfunção do esfíncter. Portanto, não é o caso de suspender a amamentação natural. Ao contrário, ela é o melhor tratamento preventivo contra as do-enças infantis e, em especial, contra manifestações alérgicas da criança.



De olho na nutrição

Após as regurgitações ou vômitos do bebê, muitas vezes as mães não sabem se a criança ficou suficientemente alimentada. A dúvida surge mais na mãe que amamenta ao peito, já que ela não vê o quanto o filho mamou. Mas não é preciso oferecer de novo o peito ou a mamadeira, pois as golfadas representam a eliminação de pequena parcela do leite ingerido. Em todo o caso, o melhor jeito de a mãe saber se o bebê está bem alimentado é ficar atenta ao ganho de peso e à rotina de sono da criança.

Ganho de peso.
A criança amamentada no peito recebe cerca de 750 a 900 ml de leite diariamente, engordando de 20 a 30 gramas por dia nos primeiros meses. O recém-nascido perde 10% do seu peso de nascimento, recuperando-o por volta do décimo dia.

Sono.
Após cada mamada, o período de sono do bebê varia de 2 a 4 horas. Sono tranqüilo, nesses intervalos, indica saciedade. Ao recém-nascido, deve-se oferecer o peito sempre que ele desejar e pelo tempo necessário para que fique satisfeito. Nas primeiras semanas, a mamada pode durar até 40 minutos, diminuindo progressivamente, porque o bebê passa a ter mais vigor na sucção.

domingo, 13 de abril de 2014

Parto Normal - Projeto Via Lactea

Parto Normal - Projeto Via Lactea

Parto hospitalar de gêmeos VBAC, nascimento Mariana e Levi - 27/nov/2009

PATRÍCIA ABRAVANEL ESTA GRÁVIDA DE UM MENINO

Grávida do primeiro filho, Patrícia Abravanel estaria grávida de um menino.
Segundo informações do jornal Folha de S. Paulo, desta terça-feira (11), a apresentadora deve dar a notícia ao público no ar, durante seu programa.  
O herdeiro é fruto do relacionamento da filha do Silvio Santos com o ex de Sabrina Sato, Fábio Faria.  
Confirmação
Após a divulgação pelo jornal, Patrícia usou as rede sociais para confirmar a informação.
Em seu Instagram, ela publicou uma foto em que aparece brincando com um balão azul.
— Menino! Olha a cara do pai de alegria. Que Deus abençoe com muita saúde!
Leia mais
TV Fama: Fabíola Reipert faz parceria com Bacci:

sábado, 12 de abril de 2014

calcule seu parto

calcule a data de seu parto

Você já quebrou a cabeça fazendo as contas e vasculhou o calendário? Use nossa calculadora para descobrir a data prevista para o nascimento do seu filho.

Qual foi o primeiro dia da sua última menstruação?

 


http://brasil.babycenter.com/calculadora-da-gravidez#ixzz2yhE3cpHd

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Lançamento da Lansinoh para alívio na amamentação chega ao Brasil


Tel: (11) 3675-4940 / 3873-6261 / 9 9339-8585
rojas.assessoria@uol.com.br
Lançamento da Lansinoh para alívio na amamentação chega ao Brasil
    A marca Lansinoh, número 01 em produtos para amamentação, acaba de trazer ao Brasil a Terapia 3 em 1 para Seios TheraPearl. São compressas atóxicas, sem látex e 100% livres de bisfenol A (BPA Free) que proporcionam o máximo de conforto e praticidade para a mamãe. Desenvolvida por médicos e aprovada por consultoras de amamentação, o produto possui design exclusivo que se encaixa perfeitamente ao seio, fornecendo alívio 360 graus. As compressas podem ser utilizadas quentes ou frias. Se usada quente (aquecida por 15 segundos no microondas) pode suavizar a dor, inchaço, dutos obstruídos e mastites associadas à amamentação. Já a compressa fria serve para aliviar o ingurgitamento, as famosas “mamas empedradas”. Ela ainda pode ser utilizada morna com a bomba tira-leite para auxiliar na descida do leite. As compressas são reutilizáveis e podem ser higienizadas com sabão neutro, detergente ou álcool. A consultora de amamentação Patrícia Tsukada alerta que nos primeiros dias após o parto alguns problemas podem ocorrer nas mamas dificultando a amamentação. Patrícia dá algumas dicas simples de como superar essas dificuldades.
Como melhorar o ingurgitamento
O ingurgitamento é o inchaço das mamas, que ocorre quando o leite desce deixando a mama pesada, quente e dura. A mamãe deve, em primeiro lugar, amamentar frequentemente para aliviar o peso da mama. Pode-se também ordenhar o leite manualmente ou com uma bomba tira-leite para deixar a mama macia e facilitar a pega do bebê, além das compressas frias para ajudar no tratamento.
O que é mastite e o que posso fazer para melhorar?
Quando o duto bloqueado ou ingurgitado não é desobstruído, o tecido mamário é infectado, deixando parte da mama vermelha, quente, inchada e amolecida - a chamada mastite. Nesse caso, a mamãe não se sente bem e tem febre. Algumas dicas para aliviar a mastite são:
   
-    Observar a posição correta da mamada
-    Mantenha o bebê mamando frequentemente do lado que estiver inchado
-    Massagear delicadamente a parte inchada em direção ao mamilo
-    Fazer compressas quentes/mornas diretamente na mama antes da amamentação, entre os intervalos de amamentação ou durante a ordenha de leite para aliviar a dor e a inflamação
-    Antibióticos e outros tratamentos indicados pelo médico para tratar a mama inflamada
-    Se mamãe não quiser amamentar o lado infectado , deve se ordenhar o leite
-    Deve se retirar o leite várias vezes ao dia
O que fazer para o bebê fazer a pega correta quando a mama está muito cheia?
Você pode fazer uma compressa quente/morna diretamente na mama para facilitar a descida do leite, e em seguida ordenhar o leite para que a mama fique macia, facilitando a pega correta para uma mamada eficiente.
O que fazer para facilitar a descida do leite na hora da ordenha?
Você pode fazer compressa quente/morna diretamente na mama antes da ordenha, ou se você tiver a Bomba Tira leite pode colocar a compressa morna em volta da flange da bomba durante a ordenha de leite para facilitar a descida do leite.
SERVIÇO:

Preço: R$139,90

Onde Comprar: http://www.lansinohbrasil.com.br 
Divulgação: Rojas Comunicação 
(11) 3675-4940 / 3873-6261

quarta-feira, 9 de abril de 2014

quinta-feira, 3 de abril de 2014

parto normal


quinta-feira, 20 de março de 2014

Ultrassom morfológico: entenda esse exame na gravidez

Ultrassom morfológico: entenda esse exame na gravidez

Muito importante no pré-natal, esse tipo de ultrassom ajuda a detectar malformações do feto e síndromes. Mas, como nem tudo é perfeito, ele também faz soar alarmes falsos. Saiba o que esperar

Por Cida de Oliveira - atualizada em 11/12/2013 12h33
Siga Revista Crescer no Pinterest
ultrassom; gravidez (Foto: Thinkstock)

Giovanna foi informada na gravidez que o filho poderia ter Down, mas Luigi, 6 meses, nasceu sem a síndrome (Foto: Raoni Maddalena / Editora Globo)
A chegada de Luigi, hoje com 6 meses, trouxe não só alegria, como alívio à mãe, a paulistana Giovanna Mingrone, 31 anos. Durante a gravidez, o primeiro ultrassom morfológico apontou que seu filho poderia ter síndrome de Down. A medida da translucência nucal do bebê, um parâmetro que indica um risco maior para síndromes genéticas, estava no limite da normalidade. “Meu marido e eu ficamos apreensivos. Como seria a vida que poderíamos oferecer ao bebê? Seríamos capazes de dar atenção especial? Embora fosse minha segunda gravidez, me sentia como mãe de primeira viagem”, diz. O alívio veio com o nascimento de Luigi sem nenhuma síndrome. Mas o susto gerou reflexos. Giovanna atribui a ele a depressão pós-parto que teve – ela faz terapia até hoje. “Fiquei muitos dias só pensando naquele diagnóstico, naquela possibilidade.”

Ela não foi a primeira e nem será a última gestante cujo ultrassom morfológico revelará algum dado distorcido. O exame, que é empregado para detectar possíveis alterações congênitas, como a malformação do cérebro e hidrocefalia (acúmulo de líquido na cavidade craniana), além de problemas genéticos e cromossômicos, como a síndrome de Down, está longe de ser 100% preciso. É importante tentar manter a calma ao receber o resultado – porque pode mesmo não ser nada. O ideal é sempre fazer o ultrassom acompanhada e ligar para o obstetra em caso de dúvidas.
Realizado no primeiro trimestre, entre a 11ª e a 14ª semana, e no segundo, entre a 18ª e a 24ª, esse exame avalia diversas estruturas – daí o nome morfológico. No primeiro, tem índice de acerto de cerca de 70%. No segundo, quando o feto já está bem desenvolvido, com os contornos mais definidos, a confiabilidade chega a 90%, conforme o Colégio Brasileiro de Radiologia.

É por isso que, no início da gestação, o especialista pode fazer uma leitura equivocada do sexo do bebê, como aconteceu com a funcionária pública Aline Bergamo, 31 anos, mãe de Maria Clara, 5, de Santos (SP). Ao fazer seu primeiro morfológico, ela foi informada de que daria à luz um menino. “Só mais tarde, no sexto mês, eu soube que seria uma menina. Na época, o enxoval predominantemente verde já estava pronto e achei prudente pintar o quarto só depois do parto”, diverte-se Aline.

Como o ultrassom comum, o morfológico não utiliza radiação para formar a imagem projetada no monitor. Por via vaginal ou transabdominal, o aparelho emite ondas sonoras em alta frequência que chegam ao interior do útero. Os sons ecoados são convertidos em imagens, que mostram os contornos da região selecionada. O procedimento costuma ser realizado em meia hora e as imagens podem ser copiadas em DVD, o que faz sucesso entre as famílias. É um exame confiável, mas sujeito a problemas de interpretação.

“Além das próprias limitações técnicas inerentes a qualquer exame, muitos equipamentos podem estar desregulados, o que requer atenção das autoridades de saúde. Sem contar que os profissionais que operam os aparelhos nem sempre são capacitados adequadamente”, aponta a ginecologista e obstetra Maria Helena Bastos, da Fundação Oswaldo Cruz (RJ). “Como consequência, o risco aumentado para possíveis problemas pode ser interpretado como diagnóstico fechado, trazendo muito transtorno para as grávidas e seus familiares”, conclui.

A médica, que participa de um levantamento sobre partos no Brasil, financiado pelo Ministério da Saúde, alerta que, ao sugerir alterações que não existem ou que não são realmente graves, o exame, muitas vezes, leva à antecipação de cesarianas quando o bebê tem tudo para nascer de parto normal, na hora certa. E o nascimento prematuro, esse, sim, pode representar perigo para a saúde – no Brasil, nascem por ano 330 mil crianças antes do tempo. Um exemplo de precipitação, segundo Maria Helena, é quando o médico detecta a chamada circular de cordão umbilical. Embora seja assustadora a ideia de o pescoço da criança estar enrolado, isso não representa risco real. “O cordão é elástico, envolto por uma geleia, incapaz de estrangular”, garante ela.
Conduta profissional
Apesar de todo o avanço tecnológico – e da vontade de ser mãe – nem toda gestação evolui da maneira esperada. Sempre existe a possibilidade de haver intercorrências e até perdas. De acordo com o Código de Ética Médica, esses imprevistos devem ser comunicados ao obstetra e não à gestante. Na prática, não é o que acontece. “O ultrassonografista não deveria mostrar e explicar cada detalhe à grávida e ao seu acompanhante – que é sempre bem-vindo. Mas, na maioria das vezes, acaba fazendo isso”, diz o médico Renato Ximenes, membro da Comissão Nacional de Qualidade em Ultrassonografia do Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR). De acordo com ele, a maioria dos médicos tem a conduta de contar à paciente o que acontece e orientá-la a procurar seu médico o quanto antes. “Mas é preciso também que ele avise o obstetra”, recomenda.
Risco relativo
A especialista em medicina fetal Denise Pedreira, do Hospital Samaritano (SP), acrescenta que a sensibilidade do morfológico para flagrar anomalias depende também de outros fatores, como tipo do aparelho, idade gestacional, peso da gestante, quantidade de líquido amniótico, posição e número de fetos. “Precisa ficar claro que o morfológico só serve como alerta de risco, mas não como confirmação. Por isso, não se pode acusar um erro no exame quando outros subsequentes não confirmarem o achado inicial”, ressalta Denise. E ela brinca: “Se há erro, é o de assustar a grávida”.

Foi o que aconteceu com Jéssica Appolinário Franco, 27 anos, em maio passado, quando deu à luz Pietro. Uma alteração cromossômica detectada durante o ultrassom morfológico não se confirmou. “Vivi tempos difíceis a partir da notícia de que meu bebê tinha síndrome de Down. Foram muitas orações em família e pesquisas frequentes para me preparar para cuidar de uma criança tão especial”, lembra ela. “Apesar de o obstetra sempre enfatizar que o melhor seria esperar pelo nascimento do Pietro, jamais desconfiei de que tais informações pudessem estar equivocadas. Afinal, eu tinha feito os exames em uma clínica de referência”, acrescenta.

No primeiro morfológico, a translucência nucal (TN) é o principal indicador para o risco de alterações, malformações ou síndromes, como a de Down, mas tem cerca de 5% de probabilidade de apresentar um resultado falso positivo. Esse parâmetro mede o acúmulo de líquido na nuca, comum a todos os fetos entre a 11ª e a 14ª semana de gestação. Se a medida estiver além do esperado, maior é o risco de a criança apresentar não só os problemas já mencionados como infecções congênitas.

O risco é calculado de maneira individualizada, levando em conta não só a TN como a idade materna, a idade gestacional e o histórico familiar, entre outros fatores. Mas o exame não fornece informações quanto à constituição genética do feto. A confirmação para a suspeita de Down na gestação, por exemplo, só é feita com a análise das células fetais em exames mais invasivos, chamados biópsia de vilo corial (BVC) e amniocentese. Esses procedimentos, porém, oferecem risco de morte para o bebê: em torno de 1% na amniocentese clássica e de 2% na BVC. Por isso, vale discutir com o especialista sobre a necessidade real de se submeter a esses procedimentos.
Mais precisão
No momento do segundo morfológico, os órgãos do bebê estão mais bem definidos, o que aumenta a precisão do diagnóstico de malformações da coluna vertebral, mãos, pés, face, diafragma e coração. O procedimento também consegue avaliar melhor outras estruturas, como calota craniana, cérebro, tórax, estômago e rins, além dos membros e da genitália, só para citar alguns.

Quando a probabilidade de anomalias congênitas é mais alta, o médico geralmente solicita exames detalhados das estruturas anatômicas do feto, incluindo todos os ossos longos e o sistema cardiovascular. Se o ultrassom acusar problemas no coração, é indicada uma reavaliação por meio de um teste de imagem chamado ecocardiografia fetal, realizado por cardiologista pediátrico, que deverá passar a monitorar a gestação ou até mesmo transferir a grávida para centros referenciados de atenção, para acompanhamento.

“O mais importante, em momentos como esses, em que o inesperado pode acontecer, é a mulher se sentir acolhida, encorajada a enfrentar as intercorrências e até mesmo a vencer o medo e o trauma, em caso de possíveis perdas”, diz a psicóloga Maria de Fátima Rezende, do serviço de psicologia obstétrica da Unifesp. E ela conclui: “O fundamental é dar suporte para que a gestante não perca, de jeito nenhum, as esperanças.”
Solução dentro do útero
A pedagoga Oladiane Werner, 33 anos, mãe de Igor, 5 meses, e a bióloga Lidiane Ubaldino, 35, mãe de Joaquim, 2 meses, vivenciaram um drama em comum. Para elas, o ultrassom morfológico trouxe mais do que um susto: a pista de que havia uma malformação grave nos bebês, que acabou sendo confirmada por outros exames. Eles tinham meningomielocele ou espinha bífida, que é a exposição da medula espinhal ao líquido amniótico, devido a uma falha na formação dos ossos e estruturas que deveriam cobri-la. Como ocorrem danos aos nervos, as sequelas são graves, incluindo paralisia e hidrocefalia.

A boa notícia é que essas consequências podem ser evitadas com um procedimento cirúrgico até a 27ª semana de gestação, que fecha a abertura. Oladiane e Lidiane encararam cirurgias bem-sucedidas, que corrigiram o problema em seus bebês e eles provavelmente não terão sequelas graves.

Cada vez mais avançada, a medicina fetal permite intervenções cirúrgicas ainda dentro do útero materno, aumentando as chances de uma vida saudável. “Hoje podemos contar com a cirurgia endoscópica para corrigir algumas malformações”, explica Denise Pedreira, do Hospital Samaritano (SP), que operou os fetos de Oladiane e Lidiane com uma técnica que ela própria desenvolveu. Trata-se da inserção de uma película protetora na medula, com auxílio de instrumentos cirúrgicos, por meio de pequenos furos na barriga da mãe.

quarta-feira, 19 de março de 2014

nova descoberta.sobre recen nascidos

Uma unidade neonatal onde a choradeira foi substituída pela tranquilidade.
Esse é o resultado de uma experiência iniciada há três meses no Hospital Universitário de Maringá (HUM), no Noroeste do estado. Os recém-nascidos prematuros ou abaixo do peso ideal são colocados em redes, instaladas dentro das incubadoras. Além de acalmar os bebês, o método está ajudando no desenvolvimento das crianças.

A ideia surgiu da auxiliar de enfermagem Isabel Leli, que não sabia mais o que fazer para acalmar os bebês que não paravam de chorar. “Tinha um em especial que chorava de mais. Ele estava há três meses internado, bem carente e exigia muita atenção. Eu estava tentando acalmá-lo dentro da incubadora, quando surgiu a ideia de suspender a criança. Utilizei uma faixa de canguru como rede e ela se acalmou imediatamente”, diz.

Após a experiência, Isabel descobriu que o modelo já vinha sendo adotado em outros hospitais do país, principalmente na região Nordeste. Segundo a auxiliar de enfermagem, a criança se acalma porque a rede simula o espaço intrauterino da mãe. “Quando o bebê nasce, ele sofre um trauma, pois deixa um espaço onde está aconchegado e se sentindo seguro. A rede passa a sensação de um espaço com limites, que acalma o bebê”, explica.

Isabel usou as redes para as outras crianças prematuras da unidade. Costureiras do hospital foram chamadas para confeccionar materiais sob medida para as incubadoras. As “redes neonatais” do HUM são feitas com pedaço de corda e flanela, um tecido que não irrita a pele dos bebês. “Não existe contraindicação. Todos os bebês estáveis podem se beneficiar do método e se sentir em ‘casa’ novamente”, comenta a médica pediatra Maria Cássia Barros.

Acelerando a recuperação
Tradicionalmente associada a uma imagem de descanso e lazer, a rede adquiriu a função de recuperar. Além de acalmar os bebês, o método permite que as crianças deixem o hospital mais rapidamente. “Geralmente, os prematuros são mais irritados. Como a rede deixa as crianças mais calmas, o gasto energético delas diminui. Poupando energia, elas ganham peso e se desenvolvem mais depressa”, explica a enfermeira Edilaine Freitas.

PROBLEMAS DA FALA NA CRIANÇA

PROBLEMAS DA FALA NA CRIANÇA

Rejane Rubino é fonoaudióloga e professora do curso de Fonoaudiologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.
Os pais olham os filhos sempre com muito orgulho. Na maioria das vezes, acham que eles têm desenvolvimento mais rápido e são mais espertos do que o das outras crianças. Mas, quando o filho apresenta alguma dificuldade para falar ou desenvolve essa habilidade mais lentamente, ficam ansiosos. Se essa ansiedade não é boa para eles, é péssima para a criança que aí, sim, poderá apresentar problemas em relação à fala.
O ser humano demora alguns anos para dominar perfeitamente o mecanismo da fala. Alguns o fazem mais depressa; outros, mais devagar. Não existe data precisa para determinar a normalidade desse processo que envolve uma série de aspectos orgânicos e psíquicos. Qualquer dúvida que surja a respeito do desenvolvimento da fala na criança deve ser esclarecida para evitar o agravamento da situação.
DESENVOLVIMENTO NORMAL DA FALA
Drauzio – Qual é o desenvolvimento normal da fala na criança, das primeiras sílabas até a formação de frases completas?
Rejane Rubino – Em termos de tempo, existe uma variabilidade muito grande. Aquilo que se considera normal não pode ser demarcado por um ponto fixo, mas por algo que comporta variação. Pesquisas mostram, por exemplo, que uma criança de 16 meses pode falar 150 palavras, enquanto outra da mesma idade não fala nenhuma palavra ainda, o que não significa que esta última apresente um problema de linguagem, porque a questão do tempo variável tem peso significativo.
É importante notar que inicialmente a criança produz vocalizações que são tomadas pela mãe e pelo pai como fala, quer dizer, a criança é interpretada como se fosse um falante antes mesmo de começar a falar.
Drauzio – Que tipo de vocalizações são essas?
Rejane Rubino – Essas vocalizações caracterizam-se pela emissão prolongada de uma vogal – aaaaa, por exemplo – ou até mesmo de sons que não serão produzidos mais tarde quando a criança for falante da língua. Depois, isso vai se transformando num balbucio que se caracteriza pela reduplicação de sílabas (babá, mamã), e que se aproxima da estrutura silábica da língua.
Drauzio – Essas reduplicações costumam ocorrer em que faixa etária?
Rejane Rubino – Elas estão presentes após os seis meses de idade. O importante é que o adulto vai tomá-las como palavras. Em geral, quando as mães dizem que o filho começou a falar porque nesse balbucio emitiu um som próximo de “mamã”, por exemplo, na verdade, ele ainda não está falando. No entanto, o fato de o adulto tomar aquilo como fala é fundamental para que ele venha a falar. A criança depende dessa interpretação para tornar-se um falante ativo.
Drauzio – Em que nível está a fala da criança com um ano aproximadamente?
Rejane Rubino – A partir dessa fala interpretativa que pai e mãe fazem, a criança vai tomando alguns fragmentos que irão reaparecer em situações parecidas às que foram faladas pelos pais. Portanto, a primeira fala tem natureza bastante imitativa. A criança repete fragmentos ditos pelo adulto que continua interpretando sua fala. Então, ela fala “nenê” e o adulto completa: “Você viu que nenê bonito?”. Esse movimento de tomar aquele pedacinho de fala e colocá-lo no contexto da língua imprime caráter gramatical à fala da criança. Esse processo de aquisição de uma gramática estruturada leva uns quatro anos, embora varie de uma criança para outra.
INTERFERÊNCIA DA ANSIEDADE PATERNA
Drauzio – Às vezes, os pais ficam aflitos porque a criança de um ano não fala e não sabem que isso pode fazer parte do desenvolvimento normal do filho, não é?
Rejane Rubino – Os pais, às vezes, comparam um filho com o outro e concluem que o mais velho na mesma idade já falava, embora nem sempre entendessem o que dizia, enquanto o menor não fala nada. Costumo dizer, quando isso é motivo de grande preocupação, que eles devem ser orientados, porque essa ansiedade pode dificultar ainda mais o processo da fala infantil, na medida em que passa para a criança a imagem de que deveria estar fazendo alguma coisa que ainda não consegue fazer.
Na clínica, é importante avaliar o modo como os pais falam sobre esse atraso. Às vezes, eles estabelecem relações entre essa demora para falar (que pode nem ser uma demora de fato) com outras histórias da vida da criança e da história deles mesmos. É importante trabalhar para que a ansiedade da família se dissipe e, se realmente houver um problema, começar o tratamento precocemente.
ORIENTAÇÃO AOS PAIS E CRITÉRIOS DE DIAGNÓSTICO
Drauzio – Que tipo de conselhos você dá aos pais ansiosos e que critérios estabelece para diagnosticar um real problema de linguagem?
Rejane Rubino – Existem alguns fatores que precisam ser examinados. Muitas vezes a criança ainda não fala, mas mostra sinais de que a linguagem está se organizando dentro dela. Um exemplo é a maneira como ela brinca. Se não fala, mas pega uma boneca, coloca-a para dormir, tira-a da cama, finge que a alimenta e lhe dá banho, apesar do silêncio, a linguagem está presente. É como se houvesse uma espécie de narrativa, evidenciada por eventos encadeados. No entanto, se a criança não consegue estruturar uma brincadeira, pega um brinquedo e larga para pegar outro que também deixa de lado, os pais precisam ficar atentos a esse modo de reagir.
Outro fator a considerar é o efeito da fala do outro na criança. Se ela atende a fala de terceiros, não há motivo para maiores preocupações, o que não acontece quando reage como se nada do que ouvisse tocasse nela.
Há, então, elementos que se usam na avaliação de linguagem para diferenciar o atraso que requer atendimento da simples demora para falar, uma vez que é praticamente impossível fixar uma idade exata em que essa demora deixa de ser normal.
FALAR ERRADO
Drauzio – E aquelas crianças que falam de um jeito que só as mães entendem?
Rejane Rubino – Isso aponta para outro quadro que não é o atraso da linguagem. A troca de fonemas, por exemplo, que em fonoaudiologia é chamada de desvio fonológico ou distúrbio articulatório, é um desses casos. Em vez de falar “carro” a criança fala “calo”; em vez de “vaca”, fala “faca”. Além das trocas, pode ocorrer também a omissão de sons.
Embora esteja estabelecido que em torno dos quatro anos de idade a criança deva estar com o sistema de sons da língua adquirido e estabilizado, existe certa margem de variação dentro dos limites da normalidade.
Há pais que trazem a criança com essa idade, preocupados porque ela fala errado a ponto de as pessoas de fora não entenderem o que diz.  Isso demanda análise cuidadosa para verificar que sons a criança não produz ou troca por outros a fim de determinar a necessidade de atendimento ou de esperar mais um pouco, pois ela está em fase final de aquisição da linguagem. Por exemplo: ela já fala razoavelmente bem todos os sons da língua com exceção do r duplo e dos encontros consonantais (fala “Basil” em vez de “Brasil”), em geral os últimos a serem adquiridos. Entretanto, mesmo antes dos quatro anos, pode ocorrer uma desorganização nos sistema de sons que merece o cuidado precoce do fonoaudiólogo.
Drauzio – Você poderia dar um exemplo disso?
Rejane Rubino – Há crianças que omitem sistematicamente os fonemas oclusivos velares, o /k/ de “cola” e o /g/ de “gola” e isso lhes causa incômodo e sofrimento. Lembro-me de que atendi uma menina cujo apelido era Cacá. Quando lhe perguntavam qual era seu nome, ela dizia A-á. As pessoas não entendiam, perguntavam de novo, ela repetia, mas não se fazia entender. A impossibilidade de dizer o próprio nome de maneira inteligível perturbava suas relações sociais. Num caso como esse, indica-se o atendimento mesmo antes dos quatro anos para evitar constrangimentos para a criança.
Ela se chamava Carolina e produzir o fonema /k/ fez uma enorme diferença em sua vida. O dia em que saiu da sessão falando Cacá, estava exultante. É através da fala que as pessoas se apresentam para o mundo. Não poder pronunciar corretamente o próprio nome é algo angustiante para a criança.
GAGUEIRA OU DISFLUÊNCIA
Drauzio – Tenho a impressão de que existem menos crianças gagas atualmente. Estou errado?
Rejane Rubino – Não saberia esclarecer a questão da frequência da gagueira, mas acho que é importante chamar atenção para o seguinte: certo grau de disfluência, ou gagueira, é normal na fala de todos nós e, muitas vezes, nem nos damos conta dele. Em relação à infância, há uma disfluência da fala descrita como normal que faz parte do processo de aquisição da linguagem e tende a desaparecer sozinha. Isso está relacionado com o momento em que a criança passa a produzir as próprias sentenças e tem de escolher uma palavra depois da outra. É como se estivesse diante de várias portas e estancasse hesitando por qual caminho deverá seguir. Isso não é ruim e mostra um movimento da criança na própria aquisição da linguagem.
É claro que o grau de disfluência varia de criança para criança assim como varia a preocupação das famílias. É freqüente pais levarem o filho ainda pequeno que gagueja um pouco para uma consulta com o fonoaudiólogo porque temem que ele seja gago.
Diante de uma hesitação normal, é preciso alertar os pais de que, se a reação deles for tranqüila, o problema da criança vai sumir naturalmente. Por que é importante dizer isso? Porque o modo como os pais lidam com essa fala disfluente pode criar uma autoimagem de mau falante na criança e levá-la realmente à gagueira. Quando ela começa a falar e para e o adulto interfere com dicas sobre a melhor forma de falar sem gaguejar (“pense a sentença toda antes de falar”, “respire fundo”, “fale devagar”), está brecando a fala da criança e criando uma tensão que ainda não existia. Por isso, é importante que os pais busquem orientação sobre a melhor forma de lidar com a disfluência dos filhos para não agravar um quadro que pode passar naturalmente.
Drauzio – A partir de que idade, os pais devem preocupar-se com a gagueira dos filhos?
Rejane Rubino – Eu diria que a partir dos quatro anos, aproximando-se dos cinco, porque nesse momento a criança percebe a própria disfluência e a reação que provoca nos outros.
A gagueira normal tende a diminuir a partir dos três anos e não incomoda nem inibe a criança. O problema começa quando ela evita falar em certas situações ou com determinadas pessoas e se recusa a pronunciar algumas palavras. Isso mostra que está criando mecanismos na tentativa de escapar da disfluência, o que agrava mais ainda o problema.
AVALIAÇÃO DOS FONOAUDIÓLOGOS
Drauzio – Em que os fonoaudiólogos se baseiam para dizer que determinado comportamento em relação à fala é normal ou merece cuidados?
Rejane Rubino – Sempre se inicia por uma entrevista com os pais na qual colocam por que estão procurando atendimento e contam a história da criança. Num segundo momento, o contato é com a criança. Há profissionais que optam por aplicar testes. Eu prefiro sessões livres e lúdicas. O material é gravado, transcrito e analisado para levantar erros e dificuldades que possam estar cristalizados, sintomas de um distúrbio que a criança apresenta e precisa de ajuda para superar.
Drauzio – Esses erros costumam ser sistemáticos ou aleatórios?
Rejane Rubino – Os erros da fala costumam ser sistemáticos, não no sentido de que sejam fixos, mas no sentido de que mostram uma sistematicidade própria da linguagem. Por exemplo, a criança que fala “faca” em vez de “vaca” vai trocar todos os fonemas sonoros pelos surdos. Ela vai falar “cassa” em vez de “casa”, “cato” em vez de “gato”, etc., porque isso é uma lógica própria do sistema de sons da língua. Nesses casos, não se trabalha com os sons isoladamente, mas com a oposição de sons surdos e sonoros, mexendo com todo o sistema fonológico da criança.
Drauzio – Isso pressupõe uma avaliação bem cuidadosa, não é?
Rejane Rubino – Bem cuidadosa. É preciso descobrir que sons são trocados, qual a relação existente entre eles, além de analisar outros fatores para escolher o melhor caminho para trabalhar com aquela criança especificamente.
LÍNGUA PRESA, LÍNGUA SOLTA
Drauzio – E os casos de língua presa, como são encaminhados?
Rejane Rubino – Aquilo que popularmente chamamos de língua presa, nada tem a ver com língua presa mesmo. Recentemente, foi publicada uma reportagem dizendo que o presidente Lula não tem língua presa, tem língua solta. Na verdade, o que ele, assim como outras pessoas têm, é uma projeção frontal da língua, resultante da flacidez ou hipotonia desse órgão. O ceceio característico de sua fala é provocado pelo mau posicionamento da língua, quer dizer, ela não fica contida no espaço nem na posição correta para assegurar o tônus adequado.
A língua presa, em contrapartida, está afixada na boca por uma prega que limita seus movimentos. Um bebê com língua presa pode ter dificuldade para mamar no seio da mãe, por exemplo. Por isso, às vezes, é necessário fazer uma pequena incisão para liberar os movimentos linguais.
Drauzio – Existem exercícios para reduzir os efeitos da hipotonia da língua?

Rejane Rubino  – Existem, sim. Gostaria de ressaltar que o desenvolvimento da musculatura orofacial utilizada para a fala tem relação bastante próxima e forte com funções como sucção, mastigação, deglutição e respiração. Assim, o ideal seria o bebê mamar no seio materno, mas nem sempre isso é possível. Alimentado na mamadeira, é importante que ele faça força para sugar. Muitas vezes, preocupadas com o ganho de peso da criança, as mães cortam o bico e o leite jorra sem o bebê fazer esforço algum. Mesmo que o bico seja ortodôntico e o furo pequenininho, sugar no peito demanda força muito maior.
O movimento de sucção propicia o crescimento adequado das estruturas ósseas, das mandíbulas e desenvolve o tônus adequado da musculatura que vai ser empregada na fala.
O mesmo princípio deve ser observado na passagem para a alimentação sólida. Não é raro receber no consultório uma criança a quem a mãe só oferece alimentos macios e pastosos, apesar de já ter idade para aceitar a alimentação dos adultos. Às vezes, as pessoas perguntam: “Quer dizer que o modo como meu filho come interfere no modo como ele fala?”. Sim, interfere e muito.
Outro cuidado importante é observar como a criança respira. Se respira pela boca, é bom levá-la ao otorrino para uma avaliação, já que a respiração bucal pode estar relacionada com a flacidez da musculatura e língua mal posicionada.
APRENDENDO MAIS DE UMA LÍNGUA
Drauzio – Teoricamente, a criança nasce com uma circuitaria cerebral que permite aprender a falar qualquer uma das centenas de línguas que existem.
Rejane Rubino – Elas são capazes de produzir quaisquer sons, mesmo aqueles inimagináveis depois que aprendemos a falar uma língua.
Drauzio – E as crianças que têm pais de nacionalidades diferentes e aprendem duas línguas. Isso resulta em alguma desvantagem?
Rejane Rubino – Existem estudos que estabelecem certa relação entre a possibilidade de problemas de linguagem e o bilinguismo, mas já vi dezenas de crianças crescendo em situação bilíngue sem nenhum problema.
Alguns pais optam por colocar os filhos em escolas estrangeiras, porque acham vantajoso aprender mais de uma língua. Se a criança, porém, manifesta algum distúrbio de linguagem tal atitude pode provocar embaraços, uma vez que ela se vê diante de uma língua estranha quando nem domina a língua materna.